O CORPO E A SEXUALIDADE NA TERCEIRA IDADE

um olhar sobre como vem se lidando com essa dimensão da vida

  • Karina Fürstenau de Oliveira
Palavras-chave: Envelhecimento, Terceira Idade, Corpo, Gênero, Sexualidade

Resumo

O aumento de idosos/as, no mundo, vem gerando, atualmente, um número crescente de pesquisas, cujo tema é o envelhecimento. Melhores condições de vida repercutem no cotidiano do/a idoso/a, fazendo com que muitos/as deles/as procurem formas de diversão, como por exemplo, os bailes da terceira idade, enquanto situações para a integração com novas pessoas podem, inclusive, criar laços afetivos.  Contudo, na sociedade ocidental, ainda, a velhice é vista como sinônimo de decrepitude, o/a idoso/a é tido/a como assexuado/a, desconsiderando- se, assim, as suas possibilidades de terem e se verem com desejos, paixões, amores. Neste estudo, o envelhecimento está sendo entendido como um processo contínuo da existência humana; e a velhice, uma categoria socialmente produzida a partir dos significados atribuídos às experiências de vida e às mudanças corporais, conforme a época e a sociedade. No presente artigo, primeiramente, apresento um breve percurso histórico visando mostrar como se lidou com o corpo na velhice, nas relações de gênero e na sexualidade. Em seguida, discuto como se vê o corpo, o gênero e a sexualidade do/a idoso/a em diferentes espaços da sociedade, como por exemplo, na família, nos bailes da terceira idade, nos centros de convivência, nas UNIT’s e na escola através da Educação de Jovens e Adultos. Para tanto, estabeleço conexões com perspectivas culturalistas, a partir das quais entendo o corpo e os processos que nele ocorrem como efeitos de inter-relações de caráter biossocial e problematizo as visões biologicistas.

Publicado
2019-03-24
Seção
Artigos